Notícias

AUTORIZADA COMPRA DE VACINAS POR EMPRESAS

O Governo Federal informou à farmacêutica AstraZeneca que libera a compra, por um grupo de empresas privadas brasileiras, de um lote de 33 milhões de doses da vacina.

Porém, o Governo brasileiro condicionou a liberação da compra ao envio de metade das unidades para o Sistema Único de Saúde (SUS), segundo informação do jornal O Globo.
As doses não poderão ser revendidas pelas empresas, que deverão usar o produto para vacinar seus funcionários.

VACINAS – Presidente Bolsonaro fez comunicação ontem dizendo que a Embaixada da China no Brasil informou da liberação de 5,4 mil litros de insumos necessários para a fabricação da vacina CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan.

Declarou também que os ingredientes farmacêuticos ativos (IFA) da outra vacina em uso no Brasil, a produzida pela AstraZeneca, estão com trâmite acelerado para que possam ser enviados da China
Há expectativa de novo lote de 10 milhões de doses prontas da Oxford/AstraZeneca.

BRASIL – Foram registrados 627 óbitos pela Covid-19 ontem no Brasil, elevando o total a 217.664.

A crise da pandemia permanece com maior gravidade nos estados do Amazonas e Rondônia, ainda com transferência de pacientes para outros estados.

PAZUELLO – Ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, autorizou a abertura de inquérito pedido pela Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre a conduta do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na crise de saúde do Amazonas.

O processo resulta de questionamento feito por partidos de oposição. Lewandowski mandou a Polícia Federal ouvir Pazuello no prazo de cinco dias.

EUA – Foi informado ontem pela Casa Branca que os Estados Unidos mantêm a proibição de entrada de viajantes do Brasil, União Europeia e Reino Unido, além de África do Sul, por causa das variantes do coronavírus.

O Brasil passa a proibir a vinda de passageiros da África do Sul, do modo que já vinha ocorrendo com o Reino Unido.

ARRECADAÇÃO – A receita do Governo Federal caiu 6,91%, na comparação com 2019 (já descontada a inflação), chegando a R$ 1,479 trilhão, segundo a Receita Federal.

Além das reduções de atividades geradas pela pandemia, o Governo também reduziu tributos, como o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para fazer frente à crise, levando a uma renúncia de R$ 26 bilhões.

Outra medida tomada pelo Governo foi atrasar o pagamento de impostos das empresas no auge da crise.
Ministro Paulo Guedes, da Economia, disse que esta queda de receita estava dentro do previsto nos últimos meses de 2020.

PIB – Previsto crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro de 3,49% ao final de 2021, segundo avaliação de economistas do mercado financeiro consultados semanalmente pelo Banco Central (BC). Na semana passada, previam menos: 3,45%.

No boletim Focus do BC, a projeção para o crescimento da produção industrial de 2021 passou para 5,03%.

Os economistas preveem superávit comercial de US$ 55 bilhões na balança comercial.

A previsão para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador que mede a inflação oficial do País, ficou em alta de 3,50%.

A taxa básica de juros Selic poderá chegar a 3,50% ao fim do ano, segundo o boletim Focus, prevendo-se dólar a R$ 5,00.

AUXÍLIO – O restabelecimento do auxílio emergencial tende a ser um dos temas mais polêmicos na reabertura do Congresso Nacional, na próxima semana.

Ontem o Presidente Bolsonaro fez declaração enfática sobre o assunto, afirmando que o auxílio não pode ser visto como uma espécie de aposentadoria para parte da população.

AGENDA – Presidente Bolsonaro participa hoje de manhã de teleconferência da Latin America Investment Conference.

Às 14h, recebe Paulo Skaf, Presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (FIESP).

ECONOMIA – Dólar fechou ontem a R$ 5,51.
Por causa do feriado pelo 467º aniversário da cidade de São Paulo, a Bolsa de Valores não funcionou.
Por RENATO RIELLA

DE VACINAS POR EMPRESAS

O Governo Federal informou à farmacêutica AstraZeneca que libera a compra, por um grupo de empresas privadas brasileiras, de um lote de 33 milhões de doses da vacina.

Porém, o Governo brasileiro condicionou a liberação da compra ao envio de metade das unidades para o Sistema Único de Saúde (SUS), segundo informação do jornal O Globo.
As doses não poderão ser revendidas pelas empresas, que deverão usar o produto para vacinar seus funcionários.

VACINAS – Presidente Bolsonaro fez comunicação ontem dizendo que a Embaixada da China no Brasil informou da liberação de 5,4 mil litros de insumos necessários para a fabricação da vacina CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan.

Declarou também que os ingredientes farmacêuticos ativos (IFA) da outra vacina em uso no Brasil, a produzida pela AstraZeneca, estão com trâmite acelerado para que possam ser enviados da China
Há expectativa de novo lote de 10 milhões de doses prontas da Oxford/AstraZeneca.

BRASIL – Foram registrados 627 óbitos pela Covid-19 ontem no Brasil, elevando o total a 217.664.

A crise da pandemia permanece com maior gravidade nos estados do Amazonas e Rondônia, ainda com transferência de pacientes para outros estados.

PAZUELLO – Ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, autorizou a abertura de inquérito pedido pela Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre a conduta do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na crise de saúde do Amazonas.

O processo resulta de questionamento feito por partidos de oposição. Lewandowski mandou a Polícia Federal ouvir Pazuello no prazo de cinco dias.

EUA – Foi informado ontem pela Casa Branca que os Estados Unidos mantêm a proibição de entrada de viajantes do Brasil, União Europeia e Reino Unido, além de África do Sul, por causa das variantes do coronavírus.

O Brasil passa a proibir a vinda de passageiros da África do Sul, do modo que já vinha ocorrendo com o Reino Unido.

ARRECADAÇÃO – A receita do Governo Federal caiu 6,91%, na comparação com 2019 (já descontada a inflação), chegando a R$ 1,479 trilhão, segundo a Receita Federal.

Além das reduções de atividades geradas pela pandemia, o Governo também reduziu tributos, como o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para fazer frente à crise, levando a uma renúncia de R$ 26 bilhões.

Outra medida tomada pelo Governo foi atrasar o pagamento de impostos das empresas no auge da crise.
Ministro Paulo Guedes, da Economia, disse que esta queda de receita estava dentro do previsto nos últimos meses de 2020.

PIB – Previsto crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro de 3,49% ao final de 2021, segundo avaliação de economistas do mercado financeiro consultados semanalmente pelo Banco Central (BC). Na semana passada, previam menos: 3,45%.

No boletim Focus do BC, a projeção para o crescimento da produção industrial de 2021 passou para 5,03%.

Os economistas preveem superávit comercial de US$ 55 bilhões na balança comercial.

A previsão para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador que mede a inflação oficial do País, ficou em alta de 3,50%.

A taxa básica de juros Selic poderá chegar a 3,50% ao fim do ano, segundo o boletim Focus, prevendo-se dólar a R$ 5,00.

AUXÍLIO – O restabelecimento do auxílio emergencial tende a ser um dos temas mais polêmicos na reabertura do Congresso Nacional, na próxima semana.

Ontem o Presidente Bolsonaro fez declaração enfática sobre o assunto, afirmando que o auxílio não pode ser visto como uma espécie de aposentadoria para parte da população.

AGENDA – Presidente Bolsonaro participa hoje de manhã de teleconferência da Latin America Investment Conference.

Às 14h, recebe Paulo Skaf, Presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (FIESP).

ECONOMIA – Dólar fechou ontem a R$ 5,51.
Por causa do feriado pelo 467º aniversário da cidade de São Paulo, a Bolsa de Valores não funcionou.
Por RENATO RIELLA

Comentar

Clique aqui para postar um comentário