Economia

IBGE reajusta safra agrícola brasileira, mas mantém previsão de recorde

IBGE reajusta safra agrícola brasileira, mas mantém previsão de recorde thumbnail

Problemas na produção de soja do Rio Grande do Sul foi determinante para o resultado. Arroz e feijão apresentam alta. Seca atinge em cheio o RS e produtores pedem ajuda do governo
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) reajustou nesta quinta-feira (9) a previsão da safra brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas para 245,2 milhões de toneladas, queda de 1,6% em relação ao levantamento anterior. Mesmo com a baixa, a expectativa é de produção recorde.
A área a ser colhida foi de 64,3 milhões de hectares, apresentando crescimento de 1,7% frente à área colhida em 2019, aumento de 1,1 milhão de hectares.
De acordo com o levantamento do IBGE, problema na safra de soja no Rio Grande do Sul, onde a seca causou graves prejuízos, foi determinante para o resultado. Os gaúchos são um dos principais produtores do grão no país.
Mesmo assim, a safra brasileira de soja deve chegar a 120,7 milhões de toneladas, muito acima do antigo recorde: de 117,9 milhões de toneladas.
O IBGE leva em conta o que foi produzido durante os 12 meses do ano. Diferentemente do levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que considera o calendário de safra, que começa em julho e termina junho do ano seguinte.
Arroz e feijão
A estimativa do IBGE é colher de 10,6 milhões de toneladas de arroz, aumento de 3,6% em relação ao ano passado.
As reavaliações da produção mais importantes foram verificadas no Rio Grande do Sul ( 2,5% ou 185,1 mil toneladas) e Santa Catarina ( 5,8% ou 62,1 mil toneladas), que respondem por mais de 80% da produção nacional.
A estimativa somando as três safras de feijão foi de 3,1 milhões de toneladas, aumento de 0,5% em relação a 2019. Os maiores produtores, somadas as três safras, são Paraná (24,7% do total nacional), Minas Gerais (16,2%) e Goiás (10,9%).