Economia

Governo anuncia adiamento por 60 dias do reajuste dos remédios

Governo anuncia adiamento por 60 dias do reajuste dos remédios thumbnail

Presidente Bolsonaro afirmou que adiamento do reajuste de todos os medicamentos é resultado de acordo com a indústria. Sindicato da Indústria Farmacêutica diz não ter sido consultado. O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta terça-feira (31) por meio de uma rede social um acordo com a indústria farmacêutica para que o reajuste anual de todos os remédios seja adiado por 60 dias.
O motivo do adiamento é a crise provocada pela pandemia de coronavírus. O Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma) informou não ter sido consultado (leia mais abaixo).
O reajuste seria de cerca de 4%, segundo a Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos, e deveria entrar em vigor nesta quarta-feira (1º).
Havia uma cogitação de que o adiamento valesse somente para medicamentos relacionados ao tratamento do coronavírus, mas Bolsonaro afirmou que valerá para todos.
“Em comum acordo com a indústria farmacêutica decidimos adiar, por 60 dias, o reajuste de todos os medicamentos no Brasil”, escreveu o presidente.
Durante entrevista coletiva com ministros na tarde desta terça (31) no Palácio do Planalto, o ministro Walter Souza Braga Neto, da Casa Civil, reafirmou o anúncio feito pelo presidente.
Sindicato diz não ter sido consultado
O G1 procurou o Sindicato da Indústria Farmacêutica (Sindusfarma) para obter mais detalhes sobre o acordo anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro.
Em resposta, a assessoria da entidade afirmou: “O Sindusfarma não foi consultado sobre o adiamento do reajuste anual de preços de medicamentos anunciado pelo governo; por este motivo, não vai se pronunciar”.
Remédios ficariam mais caros a partir desta quarta-feira (1º); governo anunciou adiamento do reajuste
Initial plugin text