Economia Últimas Notícias

EXPECTATIVA DO COPOM

A manutenção da taxa básica de juros Selic em 10,50% ao ano é a principal previsão do boletim semanal Focus, divulgado ontem pelo Banco Central (BC), após ouvir mais de 100 analistas econômicos.
Tudo indica que o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC tomará essa decisão amanhã (19), frustrando o Governo Lula, que tinha esperança de queda dos juros.

Os membros do Copom mostram preocupação com as expectativas de inflação acima da meta este ano. Em meio a um cenário macroeconômico mais desafiador do que o previsto anteriormente, não preveem novos cortes na taxa Selic em 2024. Para o mercado financeiro, a Selic deve encerrar 2025 a 9,5% ao ano.

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – considerado a inflação oficial do Brasil – teve elevação, passando para 3,96% este ano. Para 2025, a projeção da inflação subiu para 3,8%.

A projeção das instituições financeiras para o crescimento da economia brasileira neste ano teve variação negativa, caindo para 2,08%. Para 2025, a expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB) é de crescimento de 2%. A previsão de cotação do dólar está em R$ 5,13 para o fim deste ano.

RENÚNCIAS FISCAIS – Presidente Lula demonstrou ontem “preocupação muito grande” com as renúncias fiscais nas contas do Governo Federal, segundo os ministros da Fazenda, Fernando Haddad, e do Planejamento, Simone Tebet.
A renúncia fiscal ocorre quando o governo abre mão de uma receita vinda de impostos para estimular determinado setor. No entanto, o Governo não tem alterado este quadro nas discussões com o Congresso Nacional.
Tebet afirmou que Lula deu aos ministros tempo para se debruçarem sobre os números e apresentarem soluções. Há preocupação com o aumento do gasto da Previdência.
Lula teve reunião com Haddad e Tebet para analisar as contas do Governo e preparar a elaboração do Orçamento de 2025.

ISENÇÕES – Receita Federal afirma que o Governo deixou de arrecadar R$ 197,2 bilhões em 2022 com as isenções fiscais. Essa caixa-preta representaria somente 1/3 das renúncias fiscais estimadas no Brasil.
O valor registrado em 2022 é 4,46% menor do que em 2021, quando somou R$ 206,4 bilhões. As novas informações contemplam isenções do período de 2015 a 2022.

Receita diz que renúncia fiscal com importações soma R$ 140,8 bilhões –ou 71,4% do todo. São R$ 86 bilhões com o Cofins (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social), R$ 36,3 bilhões com o Imposto de Importação e R$ 18,5 bilhões com o PIS (Programa de Integração Social).
Há outros R$ 23,9 bilhões em renúncia fiscal por atuação na área da Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia) e daSudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste).

COMPETIVIDADE – Brasil caiu duas posições no ranking de competitividade dos países, elaborado pelo International Institute for Management Development em parceria com a Fundação Dom Cabral.
Saiu da 60ª posição na lista em 2023 para a 62ª de um total de 67 em 2024. O indicador é usado para apontar os pontos fracos e fortes de uma economia. Quanto mais elevada a classificação de uma nação, mais recursos e ambientes favoráveis à competitividade são observados.

PETROBRAS – Governo Lula receberá reforço no caixa de quase R$ 20 bilhões para ajudar a fechar as contas em 2024. O recurso virá da Petrobras.
Conselho de Administração da estatal aprovou acordo para encerrar processos administrativos e judiciais no Carf (Conselho de Administração de Recursos Fiscais), que inclui o pagamento de R$ 19,8 bilhões. A Petrobras vai aderir a uma espécie de Refis de débitos no Carf.

ESTADOS – União pagou R$ 1,17 bilhão em dívidas dos estados em maio de 2024, divulgou o Tesouro Nacional. Total pago ao longo do ano atingiu R$ 4,2 bilhões. Governo Federal honra as dívidas dos estados quando é fiador das operações de crédito.

MEIS – Receita Federal mostra que 41,2% dos MEIs (microempreendedores individuais) estão inadimplentes com o Fisco. O dado é de abril. No mesmo período de 2023, a taxa estava em 40,6%.
São 6,5 milhões de MEIs inadimplentes. Em volume, é o segundo maior número da série histórica.

RS – Defesa Civil de Porto Alegre emitiu alerta, baseado em informações do Instituto de Pesquisas Hidráulicas, prevendo elevação do nível do lago Guaíba, podendo superar a cota de alarme.

FOGO – Pantanal de Mato Grosso do Sul está sendo devastado pelos focos de incêndios. De 1º de janeiro até o último domingo (16), 338.675 hectares do bioma já foram consumidos pelas chamas. A área devastada é duas vezes o tamanho da cidade de São Paulo.

FRIO – Inverno começa às 17h51 do dia 20 de junho.
A previsão é de que as temperaturas fiquem até 3ºC acima da média histórica no Brasil, de acordo com a Climatempo.

Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) revela que as mudanças climáticas causadas pela ação humana, nas últimas décadas, têm aumentado as temperaturas médias de inverno. Entre 2010 e 2020, as temperaturas mínimas de inverno subiram cerca de 1,2°C em diversas regiões.

FUNDO – Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou distribuição dos R$ 4,9 bilhões do Fundo Eleitoral de 2024. Supera em mais de duas vezes o total das eleições de 2020 (R$ 2 bilhões).
Valores do fundo eleitoral distribuídos para cada partido
Partido Valor
AGIR R$ 3,4 milhões
AVANTE R$ 72,5 milhões
CIDADANIA R$ 60,2 milhões
DEMOCRACIA CRISTÃ R$ 3,4 milhões
MDB R$ 404,3 milhões
MOBILIZA R$ 3,4 milhões
NOVO R$ 37,1 milhões
PCdoB R$ 55,9 milhões
PCB R$ 3,4 milhões
PCO R$ 3,4 milhões
PDT R$ 173,9 milhões
PL R$ 886,8 milhões
PMB R$ 3,4 milhões
PODE R$ 236,6 milhões
PP R$ 417,2 milhões
PRD R$ 71,8 milhões
PRTB R$ 3,4 milhões
PSB R$ 147,6 milhões
PSD R$ 420,9 milhões
PSDB R$ 147,9 milhões
PSOL R$ 126,8 milhões
PSTU R$ 3,4 milhões
PT R$ 619,8 milhões
PV R$ 45,2 milhões
REDE R$ 35,9 milhões
REPUBLICANOS R$ 343,9 milhões
SOLIDARIEDADE R$ 88,5 milhões
UNIÃO R$ 536,5 milhões
UP R$ 3,4 milhões

ECONOMIA – Dólar fechou ontem em alta de 0,73%, a R$ 5,4214, enquanto o mercado espera a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central e ainda repercute o risco fiscal evidenciado por declarações do Governo Lula sobre corte de gastos e aumento de arrecadação.

Índice Bovespa, da Bolsa de Valores, fechou ontem em 119.138 pontos, com baixa de 0,43% .
MOEDAS – FONTE: BC
⬆ Dólar Comercial: R$ 5,42 (+0,73%)
⬆ Dólar Turismo: R$ 5,62 (+0,82%)
⬆ Euro Comercial: R$ 5,81 (+1,01%)
⬆ Euro Turismo: R$ 6,04 (+1,05%).