Economia

China vai diversificar importações agrícolas e ampliar apoio à soja local, diz governo

China vai diversificar importações agrícolas e ampliar apoio à soja local, diz governo thumbnail

Planos fazem parte dos esforços de Pequim para garantir segurança alimentar no país. Impacto pode ter efeitos no Brasil, principal fornecedor de soja aos chineses. Brasil é o principal exportador mundial de soja
Fábio Scremim/APPA
A China irá diversificar canais de importação, aumentar as aquisições de produtos agrícolas que atendam à demanda doméstica e intensificar o apoio ao cultivo de soja com alto rendimento, disse nesta quarta-feira (5) a imprensa estatal do país.
A decisão pode impactar as exportações brasileiras. Os chineses são os principais compradores de soja do Brasil, movimentando mais de US$ 20,5 bilhões em 2019.
‘Tempestade perfeita’ na China deve beneficiar produtores de carne do Brasil
A reiteração dos planos para impulsionar a produção doméstica de soja e diversificar importações faz parte dos esforços de Pequim para garantir segurança alimentar, especialmente depois de uma guerra comercial com os Estados Unidos, importante fornecedor de produtos agrícolas à China.
Em seu plano anual de políticas agrícolas, o governo chinês também disse que vai ajustar e melhorar o sistema de preço mínimo para compra de arroz e trigo.
A China impôs fortes tarifas aos produtos agrícolas norte-americanos em meio à escalada das tensões comerciais entre os países, o que reduziu significativamente as importações.
Nesse meio-tempo, Pequim tomou medidas para diversificar as origens de importações de grãos e farelos e para impulsionar a produção doméstica de oleaginosas, visando diminuir a dependência de produtos provenientes dos EUA.
Carne suína
Pequim também afirmou no documento que continuará trabalhando para acelerar a produção de porcos, após a peste suína africana dizimar o enorme plantel de suínos do país.
“Estabilizar a produção de porcos é uma prioridade máxima. Várias medidas devem ser tomadas para restaurar os níveis normais de produção até o final de 2020”, disse o governo.
Veja mais notícias de Agronegócios no G1